terça-feira, 18 de agosto de 2009

É notícia?

Violência! corrupção! homens-bomba! guerra santa! morrem cinco! fórmula para emagrecer! bulimia! copa do mundo! São Paulo Fashion Week! acidente trágico! desespero em templo cristão! intolerância! ignorância! falta de ética! cotas! corrupção! corrupção! corrupção! copa do mundo! morrem vinte! corrupção! guerra no Iraque! Afeganistão! Coréia do Norte! Irã! armas nucleares! Osama Bin Laden! Torres Gêmeas! bolsa família! bolsa gás! bolsa político imundo! bolsa nunca mais trabalhe! corrupção! Brasil! lixo! presidente analfabeto! corrupção! falta de investimentos na educação! corrupção! fome! guerra! assassinato! chacina! heroína! cocaína! Valium! brasileiro ignorante! Sarney! americano ignorante! alemão ignorante! italiano ignorante! manipulação! crise mundial! proibição do cigarro! presidente do Brasil! copa do mundo! esquerda! comunismo! corrupção! clonagem! globalização! correr! correr! correr! corrupção! olimpíadas! copa do mundo! corrupção! falso puritanismo! moda! massificação! influenza A! corrupção! ignorância! Jesus Cristo! corrupção! intolerância! lavagem cerebral! Edir Macedo! corrupção! dinheiro! dinheiro! crise no senado! genocídio! dinheiro! dinheiro! corrupção! Igreja Universal do Reino de Deus! piada! divindade! piada! salvação eterna! corrupção! comodismo! rebanho! piada! corrupção! desgraça! morte! dor! sofrimento! fome! corrupção! desigualdade social! intolerância! futebol! Real Madrid! Barcelona! dinheiro! dinheiro! desigualdade! fome! intolerância! morte!


Pergunto-me porque ainda lemos o jornal e as revistas, ligamos a televisão, acompanhamos o noticiário, discutimos os acontecimentos ou refletimos sobre o mundo se vemos sempre as mesmas coisas, nos frustramos com os mesmos desastres e lamentamos as mesmas vidas perdidas.

Sempre da mesma forma, no mesmo lugar e com a mesma maldita rotina. A velocidade cada vez maior da informação é a mesma velocidade com que a vida se desgasta no meio de toda essa desgraça, que não cansa de se repetir. Ansiamos por dores maiores, sensações mais constantes e vidas menos entediantes, o que demonstra como “ser” humano é fútil, como a existência é, de fato, vazia, e como a “salvação divina” é a maior piada de todos os tempos.

-

Basta, vou me apegar ao conforto dos meus vícios, nesse modo de auto-destruição que adotei. O que resta é esquecer a procissão caótica que marcha lá fora. Fecho o jornal, desligo a televisão e paro com todos os lamentos, pros infernos com suas notícias e o seu lixo de informação.

Um comentário:

Françoise disse...

Temor, comodação, reclamação...

Talves ainda exista a esperença de que chegue o dia em que as pessoas farão atos que valerão a pena, talvez ainda possa ser possível evoluir com moral.