sexta-feira, 29 de agosto de 2008

Memórias, desordens, progressos

A primeira postagem de um novo Blog, deveria ser uma postagem significativa, ou só um tentativa de se fazer presente em meio a tantos blogs? Bom, para mim, Douglas William Machado - 19 anos, estudante de Letras, amante da música, explorador do saber - seria apenas uma tentativa de organizar algumas das idéias que jazem na minha mente, todas um tanto desordenadas, mas todas em constante desnvolvimento, e resolvi compartilhá-las em um blog na rede, por que não?



-



Sempre fui um cara insatisfeito, em todas as fases da minha vida, fui um cara que não aceitava (mesmo quando tentava) preceitos previamente estabelecidos a mim. Ah sim! Você pode pensar: "Mais um moleque querendo cuspir suas revoltas em um blog sem sentido..." Mas não, apesar da não aceitação, sempre fui alguém que conviveu muito bem com isso, alguém que sempre questionou, talvez há alguns anos nem tanto, mas aos poucos fui inserindo isso na minha vida, e abrindo meus olhos. Nunca quis mudar o mundo, mesmo vendo o quão horrível era a realidade que espreitava ao meu redor, sempre procurei mudar apenas o meu mundo, sempre vi isso como o mais importante... mudar, crescer, desenvolver e nunca parar. O mundo não é estático, o mundo vibra constantemente, nós vibramos, como a música, como as ondas músicais, que se bem harmonizadas criam as mais maravilhosas sensações... e assim é nossa vida, se vibramos demais, criamos obstáculos em excesso, barreiras dispensáveis, se não vibramos e entramos na zona de conforto... podemos estar esquecendo de viver. E é aí que entra o equilíbrio, essa arte, essa forma tão 'difícil' de viver, que não permite que você entre na estaticidade, nem que viva inconsequentemente. Essa arte, que evita as doutrinas, que tem repulsa pelos 'ismos', que não permite que você adote tradições, ou que você se encaixe em ensinamentos sem perguntar o por quê disso tudo? Por que eu aceitaria dogmas, por que eu me sacrificaria por um 'amigo imaginário', por que eu amaria menos ou me sentiria culpado por algo que não causei diretamente...?

Equilíbrio... soa tão bem... buscar a verdade através do equilíbrio, buscar o equilíbrio através do questionamento, consegue perceber a harmonia?

Enfim, colocarei aqui todas as minhas confusões mentais, minhas teorias - sérias e mirabolantes -, fatos do dia-a-dia relevantes o suficiente para serem discutidos, problemas, soluções, bizarrices, etc. Estou empre aberto a sugestõs e críticas, todas fundamentadas por indivíduos que conseguem pensar e transferir estes pensamentos para um papel, ou para um blog no caso.

Abraços aos visitantes. (:

In Scepticismus Veritas.

Nenhum comentário: